Análise de Filmes #03 – Ponyo: Uma Amizade que Veio do Mar (2008)

Trailer japonês do filme

Olá para vocês, leitores do
Fênix no Sekai. Aqui é o Diego Felipe e esta será mais uma matéria sobre filmes
que estarei fazendo. Havia explicado na minha apresentação que faria críticas
sobre variados tipos de filme, mas agora retifico que vou tentar focar mais em
filmes de animação japonesa por corresponder mais com a temática do blog.
Então vamos para a primeira
análise de filme oriental. E vai ser em grande estilo: com um filme de Hayao
Miyazaki, Gake no Ue no Ponyo, mais
conhecido como Ponyo – Uma Amizade que
Veio do Mar
(em Portugal, Ponyo à
Beira Mar
).

Ficha Técnica

Diretor: Hayao Miyazaki
Produtor: Toshio Suzuki
Roteiro: Hayao Mizayaki
Estúdio: Studio Ghibli
Duração: 103 minutos.
País: Japão

A História

Ponyo (ou Brunhilde) em sua forma de peixe junto de suas irmãzinhas
O filme conta a história de
Brunhilde, uma peixinho-dourado que decide fugir para a superfície, desafiando
a vontade de seu pai, Fujimoto, um feiticeiro de aparência humana que vive no
fundo do mar. Ela acaba ficando presa numa garrafa e sendo salva por Sosuke, um
simpático e gentil garotinho de cinco anos que vive em uma ilha.
Sosuke
Sosuke, encantado com a
peixinha, a nomeia Ponyo. A amizade entre Sosuke e Ponyo começa a florescer e
ela começa a desejar a ser humana pra ficar perto de seu novo amigo.
Fujimoto, irritado por achar
que a filha foi raptada por humanos, também vai para a superfície em seu
submarino, captura Ponyo e a leva de volta para o mar. Ela se rebela e bebe uma
de suas poções mágicas, o que acaba por transformá-la em humana.
Ponyo (em sua forma humana) e suas irmãzinhas
Sendo assim ela decide
voltar para Sosuke, para desespero de Fujimoto, pois Ponyo acidentalmente
provocou um aumento do nível do mar, o que acaba por deixar a ilha onde Sosuke
vive praticamente submersa. E para restaurar a ordem ele precisará da ajuda de
Ponyo e de Granmamare, a grande divindade protetora dos mares e mãe de Ponyo.

A Análise

Ponyo – Uma Amizade que Veio
do Mar é um dos filmes mais simpáticos não só do Studio Ghibli, mas do próprio
cineasta Hayao Miyazaki. A história é simples e agradável, além de contar com personagens
carismáticos, tanto os principais quanto os coadjuvantes.
Sosuke e Ponyo
Sobre os principais, a
personagem Ponyo consegue atrair não só as crianças mas também os adultos por sua
fofura e extroversão, como nas cenas em que ela fala que gosta de comer
presunto. E Sosuke se mostra um protagonista que, embora tímido, é bastante gentil com as pessoas e tem uma relação muito bonita com seus pais (embora fique distante do pai por causa do trabalho deste).
Lisa, a mãe de Sosuke
Com relação aos coadjuvantes
vale citar a amorosa mãe de Sosuke, Lisa, que trabalha cuidando de idosos num
asilo e tem que lidar com a ausência do marido, Koichi, devido ao trabalho dele
como guarda costeiro; as idosas do asilo, principalmente a teimosa e rabugenta
senhora Toki; e Fujimoto, o sombrio pai de Ponyo.
O desenvolvimento da trama
não é acelerado, característica bastante comum dos filmes do Miyazaki. Os belos
cenários e a divertida amizade entre Sosuke e Ponyo conseguem manter a atenção
do telespectador mesmo nos momentos menos importantes para o andamento da
película.
Mas se por um lado o
desenvolvimento não é acelerado, por outro a principal ameaça do filme (a
elevação do nível do mar) acaba por ser minimizada, isto é, não é abordada de forma
a preocupar o espectador. As cenas de amizade entre Ponyo e Sosuke e a
interação deles com outros habitantes torna a situação mais suave.
Fujimoto, o pai de Ponyo
Um ponto a ressaltar é a abordagem do personagem Fujimoto, o pai de Brunhilde Ponyo e
que serve como uma espécie de antagonista do filme. Ele é um ex-humano que optou
por viver no fundo do mar e tem um profunda raiva dos seres humanos que vivem
na superfície por causa da poluição que causam no mar. Sua composição é
complexa e embora não saibamos suas pretensões experimentos científicos e
feitiços compreendemos que são a solução adotada por Fujimoto para lidar com a
poluição dos seres humanos.
Granmamare


Embora não seja totalmente
explícito o motivo que fez Fujimoto virar humano, subentende-se que foi por
amor a Granmamare. Aliás Granmamare consegue ser uma personagem impressionante
mesmo com pouco tempo em cena por sua personalidade amável e calorosa.
A animação é feita tradicionalmente, um tipo de animação que felizmente ainda tem muita força no Oriente. As imagens da sequência inicial e os cenários foram feitos em aquarela e foram utilizadas cores claras 
Sosuke e as idosas (da esquerda para a direita) Toki, Noriko e Yoshie 
A bela trilha sonora do
filme é composta por Joe Hisaishi, que trabalhou em quase todos os filmes de Hayao
Miyazaki, como Meu Vizinho Totoro, O Serviço de Entregas da Kiki, A Viagem de Chihiro, Princesa Mononoke, Nausicaa do Vale do Vento, dentre outros filmes importantes do
Studio Ghibli.
A música tema do filme é
Gake no Ue no Ponyo (mesmo título do filme em japonês), composta por Hayao
Miyazaki, Joe Hisaishi e pelo animador Katsuya Kondo e cantada pelo grupo de
folk japonês Fujioka Fujimaki e por Nozomi Ohashi, garota que interpreta Ponyo
e que tinha 8 anos na época.

Curiosidades

– As principais influências
para Miyazaki na idealização do filme foram o conto “A Pequena Sereia”, de Hans
Christian Andersen, e na lenda tradicional japonesa Urashima Taro, sobre um
homem que salva uma tartaruga, que revela-se a filha do Imperador do Mar.
– Com relação à sua
influência no conto “A Pequena Sereia”, Miyazaki declarou na Comic San Diego de
2009 que sua inspiração no conto também se atribui ao filme “A Pequena Sereia” (1989)
da Disney.
– A inspiração para fazer o
personagem Sosuke foi o filho de Hayao Miyazaki, Goro, na época que ele tinha
cinco anos. Miyazaki tentou fazer o personagem similar ao filho na época em que
este tinha cinco anos, tanto em questão de aparência e personalidade.
– A ilha onde Sosuke vive é
baseada no Parque Nacional de Setonaikai, um parque natural composto por oito
ilhas, três montanhas e cinco estreitos.
– O navio onde trabalha
Koichi (o pai de Sosuke) se chama Koganei Maru, em homenagem à cidade de
Koganei, onde se encontra o Studio Ghibli.
– A dublagem americana de
Ponyo, financiada e adaptada pela Disney, contou com um elenco de peso: Matt
Damon, Cate Blanchett, Tina Fey, Liam Neeson, Cloris Leachman, Betty White e
Lily Tomlin. E Ponyo foi interpretada por Noah Cyrus, irmã da cantora Miley
Cyrus. Já Sosuke foi interpretado por Frankie Jonas, irmão mais novo dos
integrantes da banda Jonas Brothers.
– A adaptação do roteiro
para a língua inglesa no processo de dublagem americana foi feita por Melissa
Matherson, roteirista do clássico filme E.T.
– O Extraterrestre
(1982).
– O orçamento do filme foi
de 3,4 bilhões de ienes ($34 milhões de dólares) e rendeu aproximadamente 25 bilhões de ienes ($203 milhões de dólares),
tendo sido um sucesso de crítica e bilheteria.
Bem, pessoal, essa foi a
minha terceira análise para o Fênix no Sekai. As minhas duas anteriores foram
os filmes ocidentais Ernest & Celestine e Spirit – O Corcel Indomável. A
ideia a partir dessa análise de “Ponyo” é focar mais em filmes de animação
japonesa.

Até a próxima, pessoal.
Obrigado pela leitura!

Fontes Bibliográficas: Adoro Cinema: Ponyo – Uma Amizade que Veio do Mar (em português) e Wikipedia – Ponyo (em inglês)